Jeriva


NOME CIENTÍFICO: SYAGRUS ROMANZOFFIANA
NOME POPULAR: JERIVA
NO PAISAGISMO, OS JERIVÁS PODEM SER UTILIZADOS ISOLADOS, EM GRUPOS OU RENQUES. SEU AR IMPONENTE E MAJESTOSO AJUDA A CRIAR PROJETOS DE JARDINS SOFISTICADOS A UM CUSTO NÃO TÃO ELEVADO, SE COMPARADO A OUTRAS PALMEIRAS. DA MESMA FORMA, SEU JEITÃO TROPICAL É PERFEITO PARA JARDINS DESCONTRAÍDOS À BEIRA-MAR OU EM SÍTIOS. O JERIVÁ TAMBÉM É MUITO ATRATIVO PARA A FAUNA SILVESTRE. AS INFLORESCÊNCIAS SÃO VISITADAS POR ABELHAS DIVERSAS E OS FRUTOS SÃO AVIDAMENTE DEVORADOS POR MARITACAS, PAPAGAIOS, CATURRITAS E ESQUILOS. NO SEU AMBIENTE NATURAL, ATRAI TAMBÉM CACHORROS-DO-MATO E RAPOSAS.
DEVE SER CULTIVADO SOB SOL PLENO OU MEIA SOMBRA, EM SOLO FÉRTIL, DRENÁVEL, ENRIQUECIDO COM MATÉRIA ORGÂNICA E IRRIGADO REGULARMENTE. QUANDO JOVEM, ESTA PALMEIRA APRECIA O SOMBREAMENTO PARCIAL. TOLERA BEM O FRIO E O CALOR, ADAPTANDO-SE A UMA AMPLA VARIEDADE CLIMÁTICA, NO ENTANTO, APRECIA A UMIDADE TROPICAL. RESISTE MUITO BEM AO TRANSPLANTE, MESMO OS INDIVÍDUOS ADULTOS. MULTIPLICA-SE POR SEMENTES POSTAS A GERMINAR EM RECIPIENTES COM SUBSTRATO ARENOSO, MANTIDO ÚMIDO. SEMEAR NA PRIMAVERA E VERÃO, LOGO APÓS A COLHEITA E DESPOLPA DOS FRUTOS QUASE MADUROS. A GERMINAÇÃO OCORRE APÓS 2 A 5 MESES.